O BOLO DEBAIXO DA CEREJA

Tendo iniciado as suas actividades no final de Maio (após anos de maturação...), o NOVE E MEIA, cineclube nómada, é uma comunidade de espectadores em formação, sem domicílio fixo, em trânsito entre o Bairro da Bouça, o Bairro de S. Vítor e o Bairro Antigo da Pasteleira. Essa comunidade reúne-se quinzenalmente às 21h30 para fruir de uma projeção-conversa, com apresentação propiciadora de pistas de leitura, debate final e continuação da troca de ideias em torno de petiscos. A programação abrange objectos extremamente variados e vai sendo adaptada às características de cada local. A título de exemplo, neste mês de Novembro haverá animações de McLaren na Pasteleira, a AURORA de Murnau na Bouça, JAIME de António-Pedro Vasconcelos em S. Vítor, bem como, nos três bairros um programa que cruza uma curta de Luís Vieira Campos com uma animação de Zepe e um pequeno filme realizado por adolescentes sob a orientação de Pedro Costa. Motivados pelo princípio de criar um espaço de palavra à volta dos filmes (os filmes que nos falam passam a ser também os filmes de que falamos), os animadores desta programação pretendem, através destas sessões, dos laços que lá se criam e das vontades que lá se despertam, lançar os alicerces de um movimento de educação popular pelo cinema e para o cinema. Quebrar o ciclo da guetoização dos públicos é objectivo de longo fôlego e prazo. Levar para as margens e as periferias a centralidade das questões que os filmes levantam poderá ser um princípio frutuoso, sobretudo se assumido como exercício da fraternidade.

Animadores do NOVE E MEIA