CINEMA CONVERSADO

Engana-se redondamente quem imagina que o cinema entendido como espectáculo popular de fruição colectiva encontra um acolhimento sem reservas nos sítios onde a população está privada de salas de espectáculo. Na verdade, o pronto-a-esquecer que o genericamente chamado «audiovisual» difunde por todos os meios colocou as imagens em movimento na moldura substituível das vidas e já não em diálogo com os problemas, dúvidas e crenças fulcrais da humanidade.

O NOVE E MEIA, cineclube nómada, assume-se como uma pequena festa inscrita no quotidiano, em que os filmes vêm ao encontro de públicos tão diversos quanto os bairros onde a sessões acontecem. A par dessa tonalidade de convívio bem-disposto e informal e do confronto singular com obras cinematográficas de variada natureza, privilegia-se a dimensão da palavra – ainda que por vezes ela vista roupas de silêncio.

Assim, reencontrar e reinventar os caminhos que fizeram do cinema o lugar mais concorrido da reflexão sobre a condição humana é o utópico desígnio do NOVE E MEIA, cineclube nómada. Tentamos combinar a revalorização simbólica do cinema com a desguetização dos bairros tratados como periféricos. Todos os amantes do cinema conversado são pois bem-vindos às nossas projecções-conversa (algumas das quais ao ar livre) que também permitirão porventura a descoberta de um Porto desconhecido e ainda desbocado que nem é griffe, nem gourmet, nem charme postiço.

NOVE E MEIA - Cineclube Nómada

projeto incluído no programa Cultura em Expansão da Câmara Municipal do Porto