Identity Parade Gerard Freixes Ribera

Espanha, 2017, EXP., 4’

Legendagem: inglês

Uma conversa privada entre um casal num baile de máscaras torna-se cada vez mais bizarra à medida que os dois personagens revelam os seus verdadeiros rostos um ao outro várias vezes. Mergulhando no arquivo em busca de found footage, Ribera utiliza as ferramentas de manipulação digital para distorcer o tempo e o espaço da história do cinema. Identity Parade, por sua vez, pede-nos para imaginarmos as muitas máscaras que usamos e como elas moldam nossas interações mais íntimas. (Lauren Berliner / Greg Cohen)

Nothing a little soap and water can’t fix Jennifer Proctor

ver trailer

Estados Unidos, 2017, EXP., 9’

Legendagem: inglês

Nos filmes, como na vida, a banheira é muitas vezes considerada um espaço privado para as mulheres - um lugar não só para cuidar, mas para relaxar, pensar, lamentar-se, estar sozinha e de refúgio. Para Hollywood, no entanto, também é um lugar de vulnerabilidade nua do qual mulheres narrativamente colocadas em perigo não têm como escapar. Utilizando filmes apropriados, este trabalho experimental de found footage desconstrói as representações das mulheres neste espaço doméstico como enquadrado historicamente no cinema popular. (Jennifer Proctor)

Acting Erratically Tuff Guts, Hazel Katz e Daniel Goodman

Estados Unidos, 2018, EXP., 15’

Legendagem: inglês

“Agir de uma forma errática” é um termo normalmente usado pela lei quando acredita que está perante uma pessoa com distúrbios mentais. Esta curta-metragem explora as conexões entre liberdade de movimento e violência validada pelo Estado na vida de mulheres de Nova Iorque e pessoas de cor não-conformes ao género, envolvendo-se criticamente com o arquivo e usando found footage como arquitetura metafórica. Uma narrativa de resistência é explorada na primeira pessoa por Mecca, que reapropria a ideia de agir erraticamente como uma resposta poderosa e performativa à opressão do sistema e à violência policial. Este filme foi feito em colaboração com membros do Picture The Homeless e Black Youth Project 100 (NYC Chapter). (Tuff Guts, et al.)

Normal Appearances Penny Lane

Estados Unidos, 2018, EXP., 5’

Legendagem: inglês

Em Normal Appearances, a remontagem quase muda de Penny Lane do reality show The Bachelor, vemos uma série de mulheres diferentes a executar os mesmos gestos sucessivamente expondo, dessa forma, não só a natureza encenada dos movimentos do programa, mas também a forma como a própria feminilidade, tão estreitamente definida pela cultura popular, é um conjunto de elementos executados que - uma vez isolados e repetidos - revelam a sua natureza arbitrária. Mesmo quando a emoção parece real, o modo como as mulheres limpam as suas lágrimas indica a sua compulsão adquirida no desempenho do seu género de acordo com as regras implícitas do “romance” contemporâneo. (Jaimie Baron)

E Anna Malina Zemlianski

Alemanha, 2018, ANIM./EXP., 2’

Legendagem: inglês

No mundo sobrenatural de E, a manufatura encontra a alta tecnologia, à medida que os personagens parecem consumir-se uns aos outros com as suas próprias semelhanças traficadas. Construindo o seu trabalho inteiramente a partir de imagens de filmes impressos a laser (aproximadamente 770 no total) retirados do filme de terror de 1972, Nachtschatten de Niklaus Schilling, Zemlianski rasga, empilha e pinta essas imagens com pastéis e carvão para depois inseri-las num conjunto de animações para a música epónima (E) da banda de Berlim, Comb. (Lauren Berliner / Greg Cohen)

Only the Dead Aaron Valdez

Estados Unidos, 2016, EXP., 3’

Legendagem: inglês

A repetição dá origem à hilaridade quando uma voz masculina dramática pronuncia a palavra “morto”, a frase “onde ele morre”, ou variações de ambas em Only the Dead de Aaron Valdez. No entanto, a loucura do formato do super-corte é contrariado pela consciência do que estamos a observar - ainda que de forma breve e oblíqua - imagens de cadáveres reais exibidos anteriormente no reality show The First 48. A iconografia televisiva da morte humana real - uma mão imóvel ou pé, um respingo de sangue, um corpo caído apenas parcialmente visível atrás de uma porta - é articulada como um vocabulário empobrecido para representar um trauma genuíno. Neste filme, cada corte está literalmente correlacionado com a extinção de uma vida humana. (Jaimie Baron)

Derivation of the mean lifetime Phoebe Tooke

Estados Unidos, 2015, EXP., 8’

Legendagem: inglês

Uma única fotografia a preto e branco de dezenas de crianças deitadas num campo relvado, tirada de cima e a uma distância considerável. Lenta e subtilmente, uma série de "gestos meditativos" (como o artista se refere) começa a "animar" a quietude da imagem original. Algo correu mal. O tempo e a perda permeiam a quietude, embora nada pareça ter mudado...ou mudou?... O resultado é uma investigação profundamente evocativa e inquietante da atenção, da memória, do desaparecimento e da loucura humana, tornada ainda mais pungente (se não menos misteriosa) pela revelação do título da foto e data no final do trabalho. (Greg Cohen)

Drive with Persephone Mille Feuille

Canadá, 2018, EXP., 10’

Legendagem: inglês

A um nível mais elementar, Drive with Persephone reformula o mito antigo do rapto de Perséfone no idioma dos vlogs do Youtube do género “drive with-me”. Num olhar mais profundo, o trabalho é muito mais, talvez acima de tudo, no seu registo humano dos perigos e exultações da adolescência, e a sabedoria e crueldade da velhice. Uma reflexão oportuna e potente sobre o ciclo duradouro e imutável da vida e da morte, a curta-metragem de Mille Feuille confronta - com uma mistura de estoicismo e esperança desafiadora - o desatrelar da vida social no nosso mundo aparentemente hiperconectado. (Greg Cohen)

Sand Brice Bowman

Estados Unidos, 2015, EXP., 8’

Legendagem: inglês

No início de Sand de Brice Bowman, o frame dos filmes domésticos re-fotografados que fornecem a matéria-prima para o seu filme surge ligeiramente desviado em direção ao canto inferior direito da tela. É um prenúncio da experiência espectral hipnotizante que se segue, alertando-nos para a estranha sensação de perda que acompanha a recuperação de documentos privados. Aqui, o meio do filme é adaptado ao formato do álbum de família... neste caso, um que é retirado de uma venda de imóveis, uma feira da ladra, uma loja de bricabraque algures. Aos sons mais singelos dos banhistas e das ondas do mar, rolamos e perscrutamos, peneiramos e classificamos - girando lentamente aqui, virando mais rápido acolá - através de um humilde catálogo de vidas passadas e lugares esquecidos, em todo o seu afeto, confortando o anonimato e a trivialidade. (Greg Cohen)

The Was Soda_Jerk

Austrália, 2016, EXP., 13’

Legendagem: inglês

Uma curta-metragem baseada em amostras, por enquanto, acerca do tempo antes do agora. Uma parte filme experimental, outra parte videoclipe e uma outra álbum concetual, The Was é o encontro colaborativo dos artistas australianos Soda_Jerk e The Avalanches. Construído a partir de mais de uma centena de amostras de filmes rotoscopados, The Was é um de/tour de force através dos bairros da memória coletiva. (Soda_Jerk)

The Festival of (In)Appropriation #10

Sessão integrada no Family Film Project