Cinco Dias, Cinco Noites José Fonseca e Costa

Portugal, 1996, FIC., 100’ M/12

Versão Original: português

Cinco Dias, Cinco Noites adapta um romance de Manuel Tiago (pseudónimo de Álvaro Cunhal) numa revisitação dos anos quarenta portugueses. É a uma história de clandestinidade e resistência ao regime, a de um fugitivo à polícia política que passa a fronteira a salto. O argumento é de Fonseca e Costa e Jennifer Field, a música de António Pinho Vargas.

Álvaro Cunhal disse, depois de o ver: “Um filme é, em si mesmo, uma obra de arte. Com uma característica particular: a de que nele intervêm e se complementam para o resultado global muito diversas formas de criação artística. Tomar à partida a história de uma novela, mesmo que respeitando a sua mensagem fundamental não significa mera transposição da novela para o cinema. […] O filme Cinco dias, cinco noites poderá neste sentido justamente chamar-se um filme de Fonseca e Costa.”

O realizador Manoel de Oliveira, que o escolheu para ser programado no contexto da retrospectiva completa que a Fundação de Serralves organizou no seu centenário, em 2008, afirmou na altura ao jornal Público: “É o melhor filme do Fonseca e Costa e um dos grandes, se não o melhor filme português. […] É um homem que foge a uma perseguição, seja ela qual for. É admirável na sua simplicidade.”