A Eternidade e um Dia Theo Angelopoulos

Grécia, 1998, FIC, 137’

Palme d’Or – Cannes (1998)

Um dos filmes mais belos do realizador grego Theo Angelopoulos (1936 -2012), com Bruno Ganz no papel de um escritor que, quando confrontado com a sua morte, inicia uma viagem existencial que se cruza com a história de uma criança imigrante ilegal da Albânia. Uma obra que apresenta uma reflexão sobre a ideia de território, a Europa e as suas fronteiras, mas também sobre a cruzada do homem nas suas contradições interiores.

Sessão integrada na Feira do Livro do Porto

Apresentado por Francisca Camelo